segunda-feira, 13 de abril de 2015

"Almanaque Brasil", de Noemi Marinho (1993)


Texto e direção de Noemi Marinho. Direção musical de Pedro Paulo Bogossian, que também estava no teclado. Rosi Campos, Gerson de Abreu, Roney Facchini e Helen Helene. Betinho Sodré na percussão. Estreou em fevereiro 1993 no Teatro Ruth Escobar e pouco depois foi para o Teatro Hilton.

Foi lá que assisti três vezes. Certamente um dos melhores espetáculos que vi na minha vida. Em uma das vezes levei um pequeno gravador e registrei partes significativas da peça, que divulgo, finalmente, 22 anos depois.

Divirtam-se.
Bernardo

1993 - Acima com Gerson de Abreu e Helen Helen, e abaixo
com Roney Facchini e Rosi Campos
______________________________________________________

1 - "Início - Cinta Moderna"

O espetáculo começa com a locução de Gerson de Abreu e a propaganda da "Cinta Moderna" (fundada em 1927 e que ainda existe), cantada por Rosi Campos e Helen Helene.


________________________________________________

2 - "Le Pate"

Aqui eles cantam uma paródia de "O Pato" (Jaime Silva).

_________________________________________________

3 - "Jamais Saberás" e "Estação Redentora"

Aqui ouvimos dois sketches: "Jamais Saberás", com Gerson de Abreu (Arandir), Rosi Campos (Zulmira), Roney Facchini (Peçanha) e na seqüência a "Estação Redentora", diálogo entre a Princesa Isabel e José do Patrocínio, sobre a abolição da escravatura, terminando com Rosi Campos cantando o samba "Raça negra" (Ailce Chaves e Paulo Gesta), de 1951.

_________________________________________________

4 - "Mar Português (Padrão)"

Aqui ouvimos o saudoso Gerson de Abreu cantando "Mar Português", trecho do famoso poema de Fernando Pessoa, publicado no seu livro Mensagem (1934) e musicado décadas depois pelo baiano André Luiz Oliveira. É de arrepiar.

III. PADRÃO

O esforço é grande e o homem é pequeno.
Eu, Diogo Cão, navegador, deixei
Este padrão ao pé do areal moreno
E para diante naveguei.
A alma é divina e a obra é imperfeita.
Este padrão sinala ao vento e aos céus
Que, da obra ousada, é minha a parte feita:
O por-fazer é só com Deus.

E ao imenso e possível oceano
Ensinam estas Quinas, que aqui vês,
Que o mar com fim será grego ou romano:
O mar sem fim é português.
E a Cruz ao alto diz que o que me há na alma
E faz a febre em mim de navegar
Só encontrará de Deus na eterna calma
O porto sempre por achar.

_____________________________________________

5 - "Madita Cocaína"

Aqui Rosi Campos protagoniza um dos melhores momentos do espetáculo cantando "Maldita Cocaína", canção de 1929 composta pelos portugueses Cruz e Souza e Almeida Amaral para um musical chamado "Charivari".

Trata-se de uma música que na época era dramática e descrevia com crueza os males da cocaína. Com o tempo, entretanto, a letra foi se tornando cada vez mais boba e melodramática, o que criou terreno fértil para a comédia brilhante e superior de Rosi Campos.

Não esqueço a noite fatal
Em que vi o meu amante
O olhar duro e tão brilhante
Como o aço de um punhal.

A sua boca mordia
Suas mãos eram tenazes
Deixando nódoas lilases
No meu corpo que sofria.

Maldita cocaína, roubaste o meu amante
pra sempre enlouqueceu
O teu poder fascina
És um corpo de Bacante
Com melodias de Orfeu
Maldita cocaína
Odeio-te e gosto de ti
És a minha companheira
Embora a mais traiçoeira
Que eu amei e conheci.

Hoje não posso deixar
Esse pó de maldição
Eu vivo da sua ilusão
Acordada e a sonhar.

E de instante a instante
Sinto que me vai roubando
Mas, ai de mim, aqui sonhando
É que me dou ao meu amante.

Maldita cocaína, roubaste o meu amante
Pra sempre enlouqueceu
O teu poder fascina
És um corpo de Bacante
Com melodias de Orfeu
Maldita cocaína
Odeio-te e gosto de ti
És a minha companheira
Embora a mais traiçoeira
Que eu amei e conheci.

________________________________________________

6 - "Filho de Maria"

Roney Facchini canta "Filho de Maria", de Moacyr Franco.


_________________________________________________

7 - "Canção para inglês ver"

Aqui eles cantam "Canção para inglês ver", composta por Lamartine Babo em 1931.


___________________________________________________

8 - "Samba do Avião"

Aqui, Gerson de Abreu entrava com um piano de brinquedo pendurado a ele e fingia tocar, ao mesmo tempo em que cantava o "Samba do Avião", de Tom Jobim. Era mais um daqueles momentos que emocionava o público não tanto pelo humor, mas pela absoluta simplicidade e graça do número musical.


________________________________________________________

2 comentários:

  1. Esse espetáculo é demais! Queria saber aquela canção em italiano que eles cantaram no meio da peça, você saberia qual é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Léo, não posso te garantir, mas no meio da temporada me parece que eles substituíram a "Canção para inglês ver" por "Fiat Nero", que nada mais era do que uma versão hilária do "Fuscão Preto" de Almir Rogério. Abraço

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...